Nove meses de descobertas

Acompanhar o desenvolvimento do bebê durante os nove meses de gestação é maravilhoso!

A cada dia são novas sensações. Mas as mudanças físicas e emocionais vêm acompanhadas de muitas dúvidas durante toda a gravidez. São três trimestres de muitas descobertas, responsabilidades e cuidados especiais para a mamãe e seu bebê.

Como contar a gestação

De acordo com a regra mundial, a gravidez normal vai até 38 a 42 semanas. Os médicos começam a contar a partir do primeiro dia da última menstruação, ou seja, provavelmente duas semanas ou 15 dias antes de o óvulo ter sido fecundado.

Por exemplo, quatro semanas é igual a 28 dias, que resultam em um mês lunar. Por isso, muitas vezes, a conta da gestante não bate com a do médico, já que ela conta o mês com 30 ou 31 dias, o que dificulta os cálculos.

Foto: Nina Amaral
Foto: Nina Amaral

1º trimestre

Mudanças no corpo da mulher: o atraso da menstruação é a primeira percepção da futura mamãe sobre a gravidez.

Neste trimestre, o corpo passa por diversas modificações para receber o futuro embrião em desenvolvimento, em que, no centro do óvulo, milhares de informações genéticas do pai e da mãe se agregam para formar os cromossomos do bebê.

A circunferência aumenta e os seios ficam mais volumosos. Os enjoos, náuseas e prisão de ventre acontecem devido às alterações hormonais e são sintomas habituais para uma gestante.

As mamães devem ficar atentas sobre o consumo do ácido fólico, de vitamina do complexo B e Ômega 3, que ajudam a prevenir a má-formação no cérebro e na medula espinhal.

Seu bebezinho

Entre a 11ª e a 12ª semanas de gestação que o bebê começa a ter suas características físicas formadas, como cor dos olhos, cabelo, tom da pele, estatura. Também já dá para saber o sexo do bebê. O sistema nervoso central, os músculos, intestinos, rins, fígado, pâncreas e ossos também estão a caminho.

Toda a aparência começa a modificar e logo já serão visíveis braços e pernas.

Exames importantes

O primeiro exame a ser feito é a ecografia, para verificar a oxigenação do bebê e identificar os batimentos cardíacos.

Em sequência, as mamães devem realizar o hemograma completo, função tireoide, tipagem sanguínea fator Rh, glicemia, sorologia para sífilis, HIV, hepatite B e C, toxoplasmose, rubéola e citomegalovírus, urina, parasitológico de fezes, HTLV e preventivo papanicolau.

Entre a 11º e 12º semanas, é preciso se submeter ao ultrassom morfológico do primeiro trimestre, por meio do qual o médico vai observar a medida da Translucência Nucal, que é a prega da nuca do bebê, que deve ter no máximo 2,5mm.

Esses parâmetros servem para o rastreamento de doenças cromossômicas, dentre elas a trissomia do par 21 (Síndrome de Down), a do 13 (Síndrome de Patau) e a do 18 (Síndrome de Edwards) além de outras.

Além da avaliação de TN, também se pode observar o osso do nariz e do ducto venoso (cardíaco), que são sinais indicativos de má-formação fetal.

Em um próximo post vamos falar do 2º e 3º trimestres da gestação, com as mudanças para a mãe, a formação do bebê e os exames indicados.

Não percam!